terça-feira, 3 de março de 2020

O site de pesquisa (fora o Google) a considerar

O Google é o site de pesquisa líder no mundo. Os estudos a respeito variam, mas estima-se que, globalmente, cerca de 75% de todas as pesquisas são feitas no Google. Mas você sabe quem é o segundo colocado? Quando as pessoas querem saber alguma coisa e não pesquisam no Google, onde elas pesquisam?

O outro cara que você tem que agradar
Essa dominância do Google não é novidade, hoje em dia a maioria das empresas se preocupam em agradá-lo, em estar bem nas respostas a pesquisas, através de técnicas de SEO - Search Engine Optimization. Se você quiser se informar um pouco mais sobre isso há um post bem legal sobre SEO aqui no blog.

Mas para tornar sua vida de marqueteiro digital mais difícil e suas noites mais mal dormidas, tem um outro site de pesquisa, além do Google, que sua presença digital deveria começar a pensar em agradar também. O segundo lugar no mundo, com cerca de 3 bilhões de pesquisas por mês, mais pesquisas que Bing, Yahoo, Duckduckgo e outros somados.

É o YouTube.

Site de pesquisa?
A essa altura do post, ocorreu para parte dos leitores: Peraê, peraê. O YouTube não é um site de pesquisa, como o Google ou Bing. É um portal de streaming, um lugar aonde as pessoas vão para assistir vídeos. Já para outra parte dos leitores ocorreu:  Tá pensando o quê, tá pensando o quê? O YouTube não é um site de pesquisa. É uma rede social, onde as pessoas interagem através de seguidores, comentários, curtidas e compartilhamentos.

Os dois grupos de prezados leitores deste blog estão certos. O YouTube tem características de ambas as coisas - portal de streaming e rede social. Acontece que, independente de definições ou nomenclaturas que queiramos dar, as pessoas vão procurar respostas às suas questões, dúvidas e necessidades digitando na caixa de pesquisa do YouTube.

As maior diferença de uma pesquisa feita no Google ou Bing de uma feita no YouTube é que os primeiros respondem com links para vários tipos de conteúdo - textos, imagens, mapas, vídeos, etc. - enquanto o YouTube sempre responde com links para vídeos. Além disso, os conteúdos que o Google e Bing apontam estão hospedados por toda a Internet e o YouTube só aponta conteúdo hospedado nele mesmo.

Gostou do post?
Compartilhe! ↓ →