segunda-feira, 26 de novembro de 2018

7 dicas para o marketing de médicos, dentistas e clínicas na Internet

As profissões médicas tem características muito especiais, de dedicação à ciência e ao paciente, de sacrifício pessoal em horas incontáveis de estudo e trabalho, mas tem um lado em comum com outras atividades do mundo moderno: não basta ser competente e ético. É necessário investir algum tempo e dinheiro em conversar com o público.

Na nossa opinião, médicos, dentistas, clínicas e hospitais, além do seu trabalho primário precisam ter uma preocupação com comunicação de marketing, visando conseguir novos pacientes, conversar com os atuais e seus familiares, conversar com os planos de saúde e até realizar serviços de utilidade pública. E a internet é a plataforma de melhor custo / benefício para isso.

Então aqui vão nossas 7 dicas de comunicação de marketing na Internet para médicos, dentistas e clínicas:

1) Invista em um bom site. Após escolher alguns candidatos a atendê-lo no site do plano de saúde ou depois de ter recebido uma recomendação de um amigo ou familiar, o paciente quase certamente vai dar uma olhada no nome daquele médico, dentista ou da clínica na Internet, antes de marcar uma consulta ou procedimento. Hoje em dia, todo mundo tem um celular na mão e é natural, quase automático, pesquisar. Nessa hora, um site bem feito pode ser a melhor apresentação. Já um site mal feito pode afugentar, mesmo que o profissional ou a clínica sejam excelentes. Ah, mas se eu optar por não ter site? Aí prezado médico, ou você não vai ser encontrado, ou se for, vai ser em sites de terceiros, vai deixar outros contarem a sua história, seus valores e sua competência. Melhor você assumir esse controle.

2) Fuja das propostas de site “faça você mesmo”. Existem na Internet uma série de serviços para você mesmo montar seu site, a partir de peças pré-prontas. Esses sites ficam com uma aparência “pré-fabricada”, que pode funcionar para negócios pequenos ou muito genéricos. No entanto, podem não transmitir a confiança que uma pessoa precisa para depositar sua saúde, ou até sua vida, na mão de um profissional da área médica. Além disso, fazer o conteúdo do site - textos, fotos, vídeos - funcionar na Internet - ser relevante para o as pesquisas do Google ao mesmo tempo que é convincente para seu público alvo - é tarefa especializada.

3) Desconfie de propostas de site muito baratas. Uma oferta de site barata pode esconder profissionais de Internet muito jovens, inexperientes ou sem formação adequada, o que pode resultar em sites entregues fora do prazo (ou nunca entregues), sites que vão apresentar problemas técnicos depois de prontos e, principalmente, sites que não tenham conteúdo dentro da qualidade e ética que a área médica exige.

4) Avalie a necessidade de renovação do site anualmente. Na Internet, o design e os recursos de interação avançam muito rápido e um site que era bonito há dois anos atrás pode parecer pobrinho e meio tosco hoje em dia. Todo site precisa ser reavaliado anualmente, para se verificar a necessidade de alguma atualização, reforma ou reconstrução.

5) Tenha extremo cuidado com as redes sociais.  Comentários, postagens paralelas, anúncios e outras interferências podem facilmente fugir do controle nas redes sociais. É preciso avaliar com muito cuidado se necessária presença em cada rede social e, se for acontecer, saber que ela terá que ser monitorada: tem que ter uma pessoa ou equipe cuidando o tempo inteiro. Por exemplo, um reclamação de um familiar de paciente,  mesmo que injustificada ou indevida, se ficar não respondida por alguns dias no Facebook pode ser vista por milhares de pessoas e provocar um estrago na reputação. Não se engane que além da sua rotina corrida de médico ou empresário você vai dar conta de ficar respondendo dezenas ou até centenas de posts em redes sociais. Se não quiser ou não puder investir em pessoa / equipe de monitoração, é melhor não ter perfil profissional nessas redes.

6) Publique regularmente artigos no site. A publicação regular de artigos de divulgação científica, saúde pública ou cuidados preventivos de saúde em um site de médico, dentista ou clínica pode ajudar em pelo menos 2 frentes: a) facilitar o site ser encontrado por pessoas pesquisando assuntos correlatos no Google, e assim apresentar os profissionais e a estrutura para as pessoas fora da hora de preocupação e necessidade (e também nelas),  e b) transmitir uma imagem de conhecimento, atualização e preocupação com as pessoas e a sociedade. Dada a vida corrida do médico ou dentista para ele mesmo escrever todos esses artigos, uma boa agência de conteúdo pode ajudar nessa hora.

7) Avalie publicar regularmente vídeos no site.  Os mesmos efeitos positivos da publicação regular de artigos no site podem ser potencializados com vídeos dos profissionais médicos, falando sobre diversos assuntos. As vantagens de vídeo são que as pessoas tendem mais a assistir vídeos do que ler textos mais longos e o vídeo pode ajudar a estabelecer uma relação de confiança pessoal, com o profissional médico que aparece no vídeo. No entanto é necessária alguma avaliação preliminar, porque os custos de produção de vídeo podem ser bem maiores e nem todo mundo se sente seguro na frente das câmeras. De novo, essa também é uma hora que uma boa agência de conteúdo pode ajudar a avaliar a presença em vídeo dos profissionais, sugerir assuntos e roteiros e produzir os vídeos.

Se você é médico, dentista ou proprietário de uma clínica e gostaria de saber mais sobre como o marketing digital pode ajudar sua prática chame a Vendere e converse sem compromisso.



sexta-feira, 16 de novembro de 2018

O que é SEO Search Engine Optimization?

SEO - Search Engine Optimization, é um conjunto de técnicas para você tentar fazer o Google dar a resposta que você gostaria, quando as pessoas fizerem uma determinada pesquisa. Por exemplo se você tem uma loja de bicicletas, as técnicas de SEO servem para você tentar fazer o Google colocar o site da sua loja como uma das respostas para as pessoas que estejam pesquisando uma bicicleta para comprar. E, além disso, tentar fazer o Google mostrar o site da sua loja antes dos sites das lojas concorrentes, na lista de respostas à pesquisa.

Como é que se faz SEO
Fazer SEO portanto, é tentar saber quais são os critérios que o Google usa para escolher as respostas a uma pesquisa e daí alterar seu site para atender esses critérios. Este processo também pode envolver outros sites, se você tiver controle ou influência sobre eles, porque o Google valoriza que sites de terceiros tenham links para o seu.

Porém, um problema nessa história toda de tentar adaptar o seu e outros sites para a pesquisa do Google - que chamamos de fazer SEO - é que o Google só divulga parte dos critérios que usa, na complexa tarefa de escolher e ordenar sites como resposta a uma pesquisa. A maior parte de como ele faz ele não conta.

Tem coisas que são óbvias, como por exemplo o seu site precisa ter informações sobre bicicletas para ser resposta a uma pesquisa sobre bicicletas, mas os exatos fatores que o Google usa para concluir que o site da sua loja de bicicletas deveria ser listado antes do site da loja de seu concorrente não são sabidos. São motivo de especulação de todos os marqueteiros do mundo, que vão tentando descobrir por observação, somada a tentativa e erro.

Mas SEO funciona?
Sim. O próprio Google divulga coisas que ele prefere em sites, por exemplo rapidez. Se todo o resto for igual, o site mais rápido aparece antes na lista de respostas que o site mais lento. Então, se você cuidar para o seu site seguir uma boa lista dos critérios conhecidos de preferência do Google, aumentam as chances de ele ser listado numa posição melhor que um outro site que fale do mesmo assunto e não tenha tido esse cuidado.

No entanto, você tem que ajustar as suas expectativas para os limites do que pode ser obtido com um projeto de SEO. Você mexer no seu site para agradar o Google só ajuda até um certo ponto, principalmente porque a resposta que o Google dá a cada pesquisa é otimizada para a pessoa em particular que está pesquisando, baseado em tudo o que ela pesquisou e navegou no passado. Já o seu site é um só, é impossível ele ser sempre a melhor resposta à imensa diversidade de perfis e históricos diferentes das pessoas fazendo pesquisas.

Se por exemplo, nesse exato momento você pesquisar "comprar Mountain bike" no seu celular e eu fizer o mesmo aqui no meu, a lista de sites que o Google vai mostrar para você é diferente daquela que vai mostrar para mim, baseado no que ele sabe a nosso respeito. O site de uma determinada loja de bicicletas pode aparecer na lista de respostas numa posição melhor para mim e pior para você ou vice-versa, independente do SEO que por ventura tenha sido feito nele.

O que fazer então?
Seguem as nossas sugestões para tentar melhorar sua posição nas respostas às pesquisas:

1) Procure tornar seu site uma boa resposta às perguntas dos clientes. Se o Google é muito eficiente em dar uma boa resposta para cada pesquisa, fazer do seu site uma boa resposta às possíveis perguntas dos seus clientes é uma das maneiras mais eficazes de melhorar o posicionamento dele nas listas de respostas.

É trabalhoso, mas se você identificar bem seu público alvo, que informações ele gostaria de ver e daí colocar essas informações no seu site, aumentam suas chances na listagem do Google. De quebra, se a pessoa clicar e for ao seu site, este será mais convincente. Mas não basta colocar uma vez só, é preciso atualizá-las e melhorá-las com frequência, porque a novidade também é valorizada.

2) Aplique no seu site as técnicas de SEO publicadas pelo próprio Google. Nos sites do Google há publicadas uma série de boas práticas , como por exemplo legendar as fotos e garantir uma boa visualização nas telas pequenas de celulares, entre outras. Além disso o Google também tem uma série de ferramentas públicas e gratuitas de análise de sites que podem verificar seu site e sugerir alterações.

3) Desconfie se lhe oferecerem técnicas exclusivas, secretas ou infalíveis que "garantam" uma posição para o seu site. O Google não se tornou a maior empresa de pesquisa na Internet sendo bobinho e fácil de enganar. Ele tem um exército dos melhores programadores de computador do mundo, refinando continuamente os sistemas para derrubar possíveis "truques" de artificialmente melhorar a posição de um site. Técnicas miraculosas não só podem desperdiçar o tempo e o dinheiro que você vai gastar nelas como, dependendo do que for feito, existe até o risco do Google penalizar seu site. O Google muitas vezes dá um puxão de orelha bem dolorido em quem tenta enganá-lo com técnicas não muito ortodoxas, banindo o site infrator de aparecer nas respostas a pesquisas.

4) Lembre-se que seu cliente é uma pessoa, não os robôs do Google. Não adianta o seu site ser o primeiro da resposta de uma pesquisa, daí o cliente clicar no link, mas quando ele chegar no seu site ele não gostar do que vê.  Um exemplo desse conflito: quanto menor e de mais baixa resolução for uma foto, menor é o arquivo e mais rápido é o site, agrada o robô do Google, pode subir o site na lista de respostas. Já um ser humano tem mais chance de querer comprar um produto vendo fotos de boa qualidade dele - arquivos maiores que deixam o site mais lento, pode descer o site na lista de respostas.

5) Considere fazer anúncios pagos. Nos primeiros anos do século 21, quando havia poucos sites de empresas concorrendo em cada segmento de negócios e a própria ideia de SEO - otimizar um site para ser achado pelo Google - era uma novidade, um site um pouco mais otimizado podia fazer uma bruta diferença. Naquela terra de cegos de 2010, quem tinha um olho era rei.

Hoje, há um número gigante de sites concorrendo por cada pequeno nicho de mercado e as boas agências digitais já fazem todos os sites, desde o projeto, embutindo otimizações para ele ser achado pelo Google. Então, na nossa opinião, para aumentar a audiência do seu site, além de uma possível otimização SEO, vale a pena você avaliar fazer campanhas de anúncios pagos, no próprio Google, no Facebook, Instagram ou YouTube.

Nós acreditamos que é sensato você não confiar só no tráfego orgânico - gratuito - que porventura as pesquisas possam trazer ao seu site e se garantir investindo em comprar tráfego com anúncios. Se você precisar de ajuda na montagem de um plano de anúncios para aumentar o tráfego do seu site pode contar conosco, chame a Vendere.


Observação: Tudo que dissemos sobre SEO neste post vale para qualquer site de pesquisa, como Bing, Yahoo, DuckDuckgo, Ask.com, etc. Mas, sendo realista, dada a dominância do Google no mercado de pesquisas, geralmente quem faz SEO o faz tentando agradar o Google.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

O que é inbound marketing?


Inbound marketing, ao pé da letra, quer dizer marketing de entrada. Na prática, trata-se de um tipo de marketing onde o possível cliente entra espontaneamente, ele vem ver por vontade própria. Isso é o contrário do marketing tradicional, às vezes chamado de outbound marketing - marketing de saída - onde você é que sai atrás do cliente, tentando forçá-lo a ver suas mensagens.

Há muito tempo os marqueteiros sabem que - se houver opção - as pessoas fogem como o diabo da cruz da maioria das formas mais intrusivas de marketing. Ser interrompido na hora de maior emoção do filme pra ver o comercial de margarina. Receber ligação do telemarketing bem no meio do jantar. Ter que esperar os 5 segundos para pode clicar no "Pular Anúncio" antes de ver um vídeo no Youtube...

De maneira geral, ninguém gosta de ser forçado a ver uma mensagem que não pediu para ver. Uma das maneiras de se contornar esse problema é tentar criar conteúdo que as pessoas queiram ou precisem e que venham de livre e espontânea vontade consumir. Há vários jeitos de se fazer isso, mas a forma mais comum é se criar conteúdo técnico ou informativo sobre o segmento de mercado do produto ou serviço que se quer vender: aulas, tutoriais, dicas e explicações.

Por exemplo se você vende serviços financeiros, você pode criar um e-book (um livrinho digital) ensinando como investir na crise. Se vende cosméticos, pode criar uma série de vídeos com dicas de maquiagem. Se vende conteúdo e tecnologia digital, pode criar um blog sobre marketing na Internet...  😏.

Esse tipo conteúdo, além de não chatear nem interromper as pessoas, que o acessam porque querem, permite reforçar sua imagem como um especialista no seu segmento. Você não só diz que tem conhecimento sobre o assunto, você mostra que tem. De quebra, a Internet permite que você peça informações sobre a pessoa para liberar o acesso ao conteúdo, por exemplo pedir para a pessoa dar o e-mail dela antes de você deixá-la fazer o download do livrinho que ela quer. Além de passar sua mensagem, você já recebe um lead - um posssível cliente - para quem você pode tentar vender depois.

Porém nem tudo são flores no jardim do Inbound Marketing. Os 3 principais espinhos são: 1) Dependendo do seu segmento de negócio, pode ser mais difícil encontrar conteúdo informativo e atraente, relacionado a ele. 2) Com a enxurrada de conteúdo de todos os tipos na Internet, o seu tem que ter muita qualidade e profissionalismo para se destacar e provocar interesse. 3) Não adianta fazer conteúdo de Inbound Marketing uma vez só. É preciso criar um processo de criação e publicação regular de conteúdo, porque toda empresa precisa de um fluxo de vendas ao longo do tempo.

Para enfrentar esses 3 problemas uma boa agência de conteúdo e tecnologia pode ajudar. Chame a Vendere!